sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Strange Angels

O Mundo Real é um lugar apavorante. Basta perguntar para Dru Anderson, uma órfã de 16 anos - garota durona que já acabou com sua parcela de bandidos. Ela está armada, é perigosa e está pronta para atirar primeiro e perguntar depois. Então, vai levar um tempo até que ela possa descobrir em quem confiar. Dru Anderson se acha estranha por mais tempo do que é capaz de se lembrar. Ela viaja de cidade em cidade com seu pai, caçando coisas que nos aterrorizam à noite. Era uma vida bem esquisita, mas boa - até que tudo explode em uma cidade gélida e arruinada de Dakota, quando um zumbi faminto arromba a porta da cozinha. Sozinha, aterrorizada e sem saída, Dru vai precisar de cada pedacinho de sua esperteza e treinamento para continuar viva. Seres sobrenaturais decidiram ser os caçadores - e desta vez, Dru é a presa. Chance de sobrevivência? De pouca a nenhuma.

A vida de Dru passa longe da de uma garota normal de 16 anos e não é pelo fato de viverem mudando de casa (porque afinal filhos de militares também mudam assim né). Tudo é tão diferente nela porque aqueles seres que só conhecemos na literatura e em filme - como vampiros, lobisomens, zumbis - pertencem a rotina de Dru e de seu pai, um caçador desses seres. Pois é, a vida dessa garota é um verdadeiro filme sobrenatural.

Ela já era orfã de mãe há vários anos e havia perdido também a avó, e quando seu pai não retorna de uma caçada aos seres sobrenaturais (De onde surgiu a idéia de bandidos da sinopse brasileira?? ), ela percebe que terá que encarar tudo sozinha. E vou te contar, apesar de uns surtos de 'O que vou fazer?", ela encarou bem a beça, principalmente a morte do zumbi na casa dela. Olha, eu não sei o que faria no lugar dela nessa cena...muito complicado mesmo!!

E é nesse momento, quando ela já não sabe mais a quem recorrer, é que ela conhece um cara gótico da turma dela na escola - Graves ( A Lili St. Crow tem uma imaginação pra nomes... rsr). Esse cara meio estranho acaba sendo o apoio, o amigo dela e em "retribuição" ela o mete em cada furada que você não tem idéia. Imagina você que sempre acreditou que não existiam poltergeists, lobisomens ou vampiros e de repente se vê no centro de uma confusão, ou melhor no centro de uma caçada. Porque agora, literalmente, o caçador virou a caça. Dru não é mais simplesmente a ajudante do seu pai, aquela que enfrentava os "monstros" e os matava. Não, agora eles a estão caçando, e ela não tem como fugir nem pra onde e o pior não sabe o motivo de tudo isso. E no meio disso tudo ela vai ter que aprender a confiar em seres de quem sempre teve ódio puro para conseguir sobreviver.

Eu gostei da Dru, ela é o tipo de personagem que encara os desafios de frente, que luta sempre que precisa e que pensa rápido. Graves, apesar de muito fofo quando se tratava da Dru e até bem engraçado em vários momentos, demorou muito pra tomar uma postura, ficou muito tempo perdido, sem saber como agir e deixando a Dru sem opção a não ser se preocupar em protegê-lo o tempo todo - isso me irritou.

Mas sem dúvida o que mais me irritou foi a tradução do livro. Eu nunca vi uma história com tantas gírias repetitivas, e que estragaram muitos dos diálogos do livro. Imagina ler algo cheio de "Cê" ao invés de "você", "vambora" no lugar de "vamos embora" ou mesmo de "vamos" e outras tantas. Pode ser que o livro em inglês tivesse gírias, mas mesmo assim tem que saber o limite pra elas, era simplesmente irritante ficar lendo desse jeito. Também não pude deixar de notar que em vários momentos faltava as marcações de fala dos personagens e, como a narrativa é em primeira pessoa, a coisa ficava bem confusa.

A autora também cometeu deslizes. As cenas de ação poderiam ter sido muito melhor exploradas e bem mais explicadas. Então no geral o livro é bom, mas poderia ter sido muito melhor.

Autora: Lili St. Crow
Editora: Novo Século


9 comentários:

João Paulo disse...

eu li o livro em inglês e acho que curti muito mais sem me importar com a tradução mal elaborada! uma pena, porque gostei muito do livro o que já não posso dizer das pessoas que leram em port. e se decepcionaram.

J.
-The Eater of Books

Hangover at 16 (contato) disse...

Com certeza o livro poderia ser mil vezes melhor. Eu particularmente não gostei muito não, tanta esperança pra nada. Espero que os próximos livros sejam melhores... A tradução irritou sim, mas acho que ainda dá pra encarar.

Tem promoção nova de Tormenta no blog. Se quiser, dá uma conferida lá :)

xx carol

Mariana Ribeiro disse...

Não li o livro ainda, mas cada vez que vejo comentários a respeito do livro menos vontade eu sinto de adquiri-lo rsrs. Problemas de revisão são sempre ruins e atrapalham muito a leitura. Entretanto, adorei sua resenha Amanda. Super sincera e sucinta a sua resenha.
Bjos.

Mariana Ribeiro
Confissões Literárias.

Maeva disse...

Eu ainda quero saber o nome da Dru HAHAHA

Quanto às gírias: não lembro de ter tanta gíria no livro em inglês, não, mas não posso ser considerada critério de comparação. Outro dia vieram me perguntar a respeito da dificuldade de leitura dele em inglês, e o fato é que eu não presto mais atenção nisso--deveria, mas não presto HAHAHA Só que lembro que não tem "ya" nele--minha única explicação lógica para "cê"--, não... Uma pena, por tudo o que já me mostraram, pecaram, bastante, na tradução dele--e eu estou tentando até agora entender por que traduziram o título do segundo livro, mas não do primeiro!

--
Maeva
Murphy's Library

Guta Bauer disse...

Oi Amanda!

Eu acho que todo mundo que eu conheço que leu esse ivro em português não curtiu tanto assim. Li os três já lançados em inglês e AMEI! Achei as cenas de ação muito boas, aliás, o terceiro livro é o que menos tem cenas, e mesmo assim tem várias. Acho que foi um caso de a tradução ter acabado com a narrativa mesmo...

Beijocas,
Guta
Murphy's Library

Adriana Brazil disse...

Há um tempinho desejo ler esse livro, e é uma pena ficar sabendo desse grande detalhe, que há presença de gírias (não gosto muito quando isso acontece, como bem disse precisa ter moderação) e o pior, pequenas falhas nas marcações de fala dos personagens. A editora deveria fazer uma revisão melhor da obra.
Adorei sua resenha Amanda! Concordo com a opinião que foi dada, sincera e que se limitou ao mais importante.
bjs

Amanda disse...

Pois é João...eu fiquei muito chateada com esses erros. Eu agora vou ter que ler em inglês tbm, porque quem leu no original gostou bastante, então...

Carol, eu fiquei muito incomodada, então não pretendo ler os outros em português não, vou optar por ler em inglês.

Atrapalham mesmo Mari, muito chato! Ah, obrigada pelo elogio *-*

Maeva, tbm quero saber kkkk. É normal que você não preste mais atenção a dificuldade pois já está super acostumada com inglês. Eu quero ler a série agora na versão original pra ver se gosto mais.

Olha Guta, não sei o que fizeram com a versão em português, pois ninguém gostou muito mesmo, mas em inglês só ouço maravilhas dele. É uma pena.

Concordo contigo Adri, fiquei bastante chateada com tudo isso. Ah, obrigada pelo elogio :D

Amanda disse...

Antes eu tinha uma vontade imensa de ler esse livro, mas a cada resenha que leio, ela diminui shaushaus

Beijos
Amanda
Amanda's World

Amanda disse...

Pois é Amanda, pelo que vejo o melhor é ler em inglês rsrs